Apple se prepara para o próximo passo na indústria da tecnologia. Os smartphones já estão por aí há 10 anos, e dominaram o mercado, mas é hora de superá-los, acredita a empresa. De acordo com uma reportagem do site The Information, está chegando a hora dos óculos de realidade aumentada.

Antes pensado para chegar em 2020, as novas informações, obtidas por fontes familiares ao assunto, é de que a Maçã pretende lançar um headset em 2022, que deve ser chamado de Apple Eyes. O dispositivo teria suporte a realidade aumentada e virtual e tem o codinome N301.

Parecido com o Oculus Quest, o headset da Apple utilizaria câmeras externas para mapear o ambiente à sua volta, incluindo silhuetas de pessoas, móveis e cômodos, com um display de alta resolução que exibe as informações ao usuário, podendo misturar o mundo real ao virtual.

Ainda de acordo com fontes internas, desenvolvedores receberão informações para começar a projetar aplicativos em 2021.

Oculus Quest, lançados em maio: dispositivo gamer com controles manuais (Foto: Divulgação/Oculus)

Oculus Quest, lançados em maio: dispositivo gamer com controles manuais (Foto: Divulgação/Oculus)

Substituto dos smartphones

Posteriormente, a Apple já planeja o lançamento de um segundo dispositivo, mais parecido com um par de óculos, que seria mais leve e projetado para um uso mais prolongado. De acordo com a publicação, “protótipos atuais parecem óculos de sol caros, com armações grossas para abrigar bateria e chips”.

As lentes também poderiam escurecer para informar a possíveis interlocutores que o usuário estaria ocupado, checando informações no visor.

Esse segundo modelo pode chegar ao mercado já em 2023 e seria um possível substituto dos smartphones. Tim Cook já falou antes que vê a realidade aumentada como uma “grande ideia, como o smartphone”. Em 2017, ele disse ao Independent que o smartphone “é para todos”, e que a Apple não pensa em demografias ou regiões específicas ao projetar o iPhone. O mesmo vale para a realidade aumentada.

Gerentes sênior da Apple acreditam que esses óculos podem superar o iPhone em dez anos, tornando-se os dispositivos mais populares do mercado. Se estão certos, é algo que só veremos dentro de alguns anos.

Fonte: The Information, The Verge