O próximo 10 de setembro será o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Em razão disso, desde 2015, algumas associações se mobilizaram para criar o “Setembro Amarelo”, uma campanha de conscientização sobre a prevenção ao suicídio.

“A ideia é pintar, iluminar e estampar o amarelo nas mais diversas resoluções, garantindo mais visibilidade à causa”, diz o movimento, liderado por CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psicologia).

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. No Brasil, 32 pessoas se matam por dia. No mundo, há uma morte do tipo a cada 40 segundos. Por isso, o movimento é feito para mostrar que a prevenção é fundamental para reverter a situação. Para a campanha “Setembro Amarelo”, “a primeira medida preventiva é a educação”. “É preciso perder o medo de se falar sobre o assunto.

O caminho é quebrar tabus e compartilhar informações. Esclarecer, conscientizar, estimular o diálogo e abrir espaço para campanhas contribuem para tirar o assunto da invisibilidade e, assim, mudar essa realidade”, diz o grupo. O suicídio é um fenômeno complexo , de múltiplas determinações, diz a campanha. “Mas saber reconhecer os sinais de alerta pode ser o primeiro e mais importante passo”, pontua o grupo. Fatores que merecem atenção são isolamento, mudanças de hábitos, perda de interesse por atividades que gostava, descuido com aparência, piora do desempenho na escola ou no trabalho, alterações no sono e no apetite.

O suicídio é um ato de comunicação. Quem se mata, na realidade tenta se livrar da dor, do sofrimento, que de tão imenso, parece insuportável.

Setembro Amarelo

De acordo com o grupo, para fazer propaganda da causa, ficarão com iluminação amarela monumentos e prédios como Cristo Redentor, o Congresso Nacional e o Palácio do Itamaraty, o estádio Beira-Rio e o elevador Lacerda, entre outros.

Times de futebol, como Santos, Flamengo e Vitória também farão parte da campanha.

O movimento, porém, lembra que “todos podem ser divulgadores desta importante causa”. “Ações na rua, caminhadas, passeios ciclísticos, roupas amarelas ou simplesmente o uso do laço no peito já despertam atenção e contribuem para a conscientização”, diz o grupo.